Pular para o conteúdo principal

Correios inaugura no Rio de Janeiro Kimi Nii – nas nuvens

“No começo da minha incursão pela cerâmica projetei e executei artesanalmente conceitos que aprendi na escola: desenho limpo e forma pura, aliados à necessidade. Esculturas de formas geométricas, racionais, que tentava impor à difícil técnica e processo da cerâmica de alta temperatura.

Aos poucos fui aprendendo uma lição de humildade: aliar a minha vontade às propriedades do fogo, água, ar, terra, e tirar proveito disso”.
Kimi Nii


O Centro Cultural Correios Rio de Janeiro inaugura dia 17 de dezembro, às 19h, a exposição Kimi Nii – nas nuvens, composta de mais de cem obras, com novos trabalhos e alguns destaques da produção da artista desde a década de 80, de uma das mais prestigiadas escultoras em cerâmica da atualidade: a artista e designer japonesa Kimi Nii (radicada em São Paulo). A exposição, no Rio de Janeiro, fica nas salas 1 e 2 e na sala A do 3º andar. Curadoria de Pieter Tjabbes e textos de Antonio Gonçalves Filho.

Kimi Nii nasceu em 1947 em Hiroshima, no Japão, de pai japonês e mãe brasileira descendente de japoneses e veio para Brasil aos 9 anos. Talvez por suas raízes culturais, tem na impecabilidade das formas das peças uma de suas marcas registradas. Unindo o domínio técnico com as nuances da surpresa no resultado final de suas esculturas, as peças em cerâmica de Kimi Nii têm extrema simplicidade nas formas, que transmitem uma temática extremamente brasileira somada às cores terrosas e  a uma linguagem única e beleza incomuns.

A artista observa: “percebendo a dificuldade de domar as manhas do fogo e da terra, resolvi não impor meu desejo e tomar partido dessa característica do processo”. Em  algumas peças, Kimi Nii leva em conta a ação do fogo (a 1300°C), que entorta ou faz cair a parte da peça que não encontra apoio. Na cerâmica japonesa, a imperfeição pode traduzir uma manifestação natural, um capricho contra a severidade que seus artefatos expressam.

Os novos trabalhos da artista que serão apresentados na exposição incluem duas instalações, uma vertical, batizada “nas nuvens”, composta de conjuntos de tufos estilizados, com formas arredondadas, dispostas em uma parede; e outra horizontal, onde Kimi Nii retoma um tema que já esteve presente em seu trabalho, com formas inspiradas em montanhas e vulcões, seguindo soluções mais geométricas. Ao contrário do que é marcante em quase todo o trabalho da artista, o formato das peças pode não ser exatamente a materialização daquilo que foi projetado.

Serviço
Exposição: Kimi Nii - nas nuvens, cerca de  cem esculturas em diversos formatos
Abertura: 17 de dezembro às 19h
Visitação: salas 1 e 2 e sala A do 3º andar
De 18 de dezembro/2014 a 15 de fevereiro de 2015 - terça-feira a domingo, das 12h às 19h – Grátis/Livre
Local: Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20
Centro (Corredor Cultural) Rio de Janeiro|RJ
Metrô: Uruguaiana
Telefone: (21)2253-1580 (Recepção)
Curadoria: Pieter Tjabbes
Patrocínio: Correios
Apresentação: Ministério da Cultura e Centro Cultural Correios

ATENÇÃO!!!
Oferta exclusiva do Sete Artes!
Somente até às 22h do dia 16/12/2014! Compre livros com 20% de desconto no site da Saraiva!!!! Resgate aqui o seu cupom: http://www.saraiva.com.br/livros/?pac_id=30393&utm_source=afiliados&utm_medium=lomadee&utm_campaign=livros20porcento_10122014_30393





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…