Pular para o conteúdo principal

MAR abre mostra de Jonathas de Andrade

Terça-feira (16), às 10h, o Museu de Arte do Rio – MAR abre a exposição Museu do Homem do Nordeste. Projeto do artista plástico Jonathas de Andrade, a mostra questiona o estereótipo de masculinidade do homem nordestino e o papel das instituições na criação dessa imagem. Para marcar a abertura, às 18h, o artista participa de bate-papo com o público.


O Museu de Arte do Rio – MAR apresenta a exposição Museu do Homem do Nordesteum duplo da instituição homônima, localizada no Recife e fundada nos anos 70, cujas intenções sociais e antropológicas são saqueadas e reposicionadas pelo artista Jonathas de Andrade. O trabalho, as relações entre classes, a sexualidade, a cidade e a história são alguns dos temas de interesse do museu nordestino, e o projeto ambientado no MAR promove uma leitura analítica acerca do papel das instituições museológicas na produção de subjetividades de seus respectivos contextos.

Nesta exposição, o artista – alagoano radicado no Recife – reúne 18 obras suas (várias delas inéditas, concebidas especialmente para a mostra) e 74 peças da coleção Fundação Joaquim Nabuco (parte dos acervos do Centro de Estudos da História Brasileira – Cehibra e do Museu do Homem do Nordeste), da Fundação Gilberto Freyre e do Instituto Lula Cardoso Ayres. São instalações, vídeos, fotografias, pinturas, grafites, objetos e documentos que, articulados, tensionam os estereótipos de masculinidade e outras ideias pré-concebidas normalmente vinculadas à região que foi berço da colonização portuguesa no Brasil.

“O interesse de Jonathas de Andrade por questões da história e da experiência presente da cidade onde vive, o Recife, da região que geopoliticamente a circunscreve – o Nordeste – e, mais amplamente, pelo Brasil, pode confundir as leituras possíveis de sua obra. A reincidência de certos tópicos sociopolíticos que atravessam esses contextos pode fazer parecer que o artista tem o ‘local’ como tema, enquanto o mais significativo esforço de seu trabalho se dá em torno do ‘método’ – dos modos de relacionar, organizar e estabelecer sentido e valor que são culturalmente construídos e praticados. Mais instigante do que a tematização do lugar, a atenção aos modos que a partir dali se constituem – e, como tal, são recriados – percorre projetos diversos do artista, elaborando problematizações e estratégias singulares.” comenta Clarissa Diniz, que junto de Paulo Herkenhoff assina a curadoria da exposição.

A crítica ao estereótipo fica evidente em obras como a instalação Cartazes para Museu do Homem do Nordeste, que teve início a partir de anúncios publicados semanalmente nos classificados de um jornal popular do Recife, entre 2012 e 2013. A convocação era direcionada a trabalhadores interessados em posar da forma como se imaginavam representando a região. Cada encontro foi documentado em anotações e seis delas fazem parte da obra, composta por 77 cartazes que variam de acordo com a atmosfera de cada conversa – em uma construção da identidade baseada numa relação ambivalente, antropofágica e erotizante.

Para Herkenhoff, Jonathas de Andrade se move com um raro sentido crítico, político e intelectual. “Sua obra agencia a história como processo de emancipação social. Ele simboliza a relação de desconfiança de seus contemporâneos na democracia formal e, no entanto, assume a defesa do valor da igualdade. Jonathas conduz deambulações pelo urbanismo da modernidade e pela arquitetura do desejo, expondo jogos ideológicos entre Estado e interesses hegemônicos do capital", comenta o curador.  

A exposição convida o público a vivenciar uma experiência diferente. O projeto expográfico, desenvolvido para despertar no visitante a sensação de estar vendo um museu dentro de outro, tira as obras da parede e as coloca em um mobiliário especialmente criado para a mostra.  Museu do Homem do Nordeste ocupa totalmente o primeiro andar da instituição e fica em cartaz até 22 de março de 2015, integrando o projeto curatorial do MAR que tem como objetivo abrir espaço para artistas que vivem e têm sua produção focada fora do eixo Rio-São Paulo.

O Museu de Arte do Rio
O MAR é um espaço dedicado à arte e à cultura visual. Instalado na Praça Mauá, ocupa dois prédios vizinhos: um mais antigo, tombado e de estilo eclético, que abriga o Pavilhão de Exposições; outro mais novo, de estilo modernista, onde funciona a Escola do Olhar. O projeto arquitetônico une as duas construções com uma cobertura fluida de concreto, que remete a uma onda – marca registrada do museu –, e uma rampa, por onde os visitantes chegam aos espaços expositivos.

O MAR, uma iniciativa da Prefeitura do Rio em parceria com a Fundação Roberto Marinho, tem atividades que envolvem coleta, registro, pesquisa, preservação e devolução à comunidade de bens culturais. Espaço proativo de apoio à educação e à cultura, o museu já nasceu com uma escola – a Escola do Olhar –, cuja proposta museológica é inovadora: propiciar o desenvolvimento de um programa educativo de referência para ações no Brasil e no exterior, conjugando arte e educação a partir do programa curatorial que norteia a instituição.

O museu tem o Grupo Globo, a Vale e o Itaú como patrocinadores máster e o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A gestão fica a cargo do Instituto Odeon, uma associação privada, sem fins lucrativos, que tem a missão de promover a cidadania e o desenvolvimento socioeducacional por meio da realização de projetos culturais.

Serviço MAR – Museu de Arte do Rio

Ingresso: R$ 8 I R$ 4 (meia-entrada) – pessoas com até 21 anos, estudantes de escolas particulares, universitários, pessoas com deficiência e servidores públicos da cidade do Rio de Janeiro. Pagamento em dinheiro ou cartão (Visa ou Mastercard). 

Política de gratuidade: Não pagam entrada – mediante a apresentação de documentação comprovatória – alunos da rede pública (ensinos fundamental e médio), crianças com até cinco anos ou pessoas a partir de 60, professores da rede pública, funcionários de museus, grupos em situação de vulnerabilidade social em visita educativa, vizinhos do MAR e guias de turismo. Às terças-feiras a entrada é gratuita para o público geral. Até dezembro de 2014 também têm gratuidade profissionais do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, da Guarda Municipal (GM/Rio) e da Secretaria Municipal de Ordem Pública (SEOP).

Horário especial de visitação no verão: Terças, das 10h às 19h. De quarta a domingo, das 10h às 17h. Às segundas o museu fecha ao público. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (55 21) 3031-2741 ou acesse o sitewww.museudeartedorio.org.br.

Endereço: Praça Mauá, 5 – Centro.

Texto: Approach

ATENÇÃO!!!
Oferta exclusiva do Sete Artes!
Somente até às 22h do dia 16/12/2014! Compre livros com 20% de desconto no site da Saraiva!!!! Resgate aqui o seu cupom: http://www.saraiva.com.br/livros/?pac_id=30393&utm_source=afiliados&utm_medium=lomadee&utm_campaign=livros20porcento_10122014_30393





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…